As mulheres no mercado tecnológico

A disparidade de gênero se faz presente nos ambientes corporativos e o mercado tecnológico não é exceção, principalmente levando em conta que essa área é majoritariamente ocupada por profissionais homens. Infelizmente, o mercado reflete os estereótipos de gênero construídos socialmente, que delegam as mulheres como incapazes de ocupar esses cargos e contribuem para os diversos fatores desmotivadores da adesão feminina no mercado, como o machismo, desigualdades salariais, falta de inclusão e representatividade, dentre outros aspectos.


Apesar de ser de responsabilidade das empresas proporcionarem ambientes de trabalho acolhedores, um dos fatores decisivos que compõe a difícil realidade das mulheres na tecnologia é a falta de autoconfiança e segurança dentro dos espaços de trabalho e nos processos seletivos.


O levantamento global do linkedin apontou que, em média, pessoas do sexo feminino em todo o mundo se candidataram a 11% menos empregos em 2020 em comparação com os homens. As participantes do estudo alegaram que a falta de conexões certas (networking) para serem notadas pelos times de recrutamento é o maior desafio para conseguir oportunidades de emprego, somado à falta de experiência e competitividade do mercado.


Pensando em mudar essa realidade, trouxemos algumas iniciativas que foram discutidas com as convidadas do podcast ItixTalks, Arlete e Karol, profissionais que atuam no mercado tecnológico, objetivando a inserção das mulheres na tecnologia.


1. Networking:

Criar uma rede de contatos é uma ótima forma de ascender profissionalmente, para estreitar relacionamentos profissionais e adquirir os benefícios das trocas de informações e experiências.


2. Softskills:

Atualmente, a competitividade do mercado exige que os profissionais desenvolvam habilidades interpessoais, afinal, a comunicação e comportamento profissional são tão importantes quanto conhecimentos técnicos.


3.Fortalecer o portfólio:

Procurar se capacitar e especializar cada vez mais é um grande diferencial competitivo, profissionais determinados a aprimorarem suas habilidades e investirem em projetos são muito cobiçados.


4.Ter confiança:

Acreditar na sua competência profissional é essencial, apesar de não ser fácil ser minoria em um espaço de trabalho, é importante trabalhar o emocional e acreditar no seu potencial. A tecnologia também é espaço de mulher!


5. Gestão inclusiva:

É imprescindível que as empresas desenvolvam e fortaleçam uma cultura de trabalho que idealize um ambiente diversificado e inclusivo, criando um espaço de apoio que não tenha abertura para preconceitos relacionados a gênero e outros grupos minoritários. O incentivo à liderança feminina também é necessário para proporcionar oportunidades e representatividade.


Para que a baixa participação das mulheres na tecnologia deixe de ser uma realidade, é preciso, acima de tudo, que as empresas reconheçam as desigualdades e lutem pela equiparação feminina no mercado tecnológico. Apesar de não ser fácil lidar com o desrespeito e as injustiças, é necessário resistir e lutar por um mundo melhor. Nós estamos mais do que dispostos a fazer parte dessa mudança, as mulheres podem conquistar qualquer coisa!